Entreposto de carga

For English, click here

O entorno da estação principal é tão importante quanto o restante do cenário.

Há dois prédios, um de cada lado da estação principal, que na realidade fazem parte de um entreposto de carga.

Do lado esquerdo há um galpão para pequenas cargas e que também serve como armazém, ele é composto por dois prédios unidos, o mais próximo da estação é mais largo que o outro.

O prédio mais largo possui uma porta e três janelas e o prédio mais estreito possui duas portas e quatro janelas. Ao lado esquerdo deste prédio há um bicicletário.

A foto abaixo mostra sua aparência real:

Minha intensão é recriar os prédios em poliestireno mas como não disponho deste material no momento e para demarcar o local na maquete decidi reproduzir este prédio com papel paraná, o mesmo utilizado nos forros de quadros pintados. Obtive as dimensões básicas do edifício no Google Earth e em seguida estimei as demais levando em conta as dimensões de portas e janelas comuns respeitando a escala 1:160.

Desenhei as paredes com portas e janelas e o telhado em papel A4 comum e em seguida transferí para uma folha de papel paraná de 0,8 mm de espessura.

A imagem abaixo mostra o prédio pronto:

img_2277.jpg

Em seguida colei tiras de papel cartão para simular o telhado que recebi uma pintura cinza, as paredes receberam pintura marrom como mostra a imagem abaixo:

img_2482

Do lado direito da estação há um prédio maior e é composto de três prédios unidos. O primeiro possui dois níveis, uma porta de entrada e saída de funcionários e várias janelas. O segundo prédio (porção central) possui apenas uma porta larga e alta para que as cargas sejam levadas do galpão até os vagões e o terceiro possui duas portas grandes para o trânsito de cargas e uma área coberta sem paredes que serve tanto para armazenar carga como para estacionamento de veículos.

A imagem abaixo mostra sua aparência real:

O modelo foi totalmente construído utilizando a mesma técnica do prédio à esquerda da estação, desenho sobre papel A4 comum, transferência do desenho para a folha de papel paraná, corte, colagem e pintura com tinta acrílica. O telhado foi também produzido com papel cartão, colado e pintado com tinta acrílica:

Faltam detalhes importantes como vidro e moldura nas janelas e portas, pelo momento com há muito mais por fazer, assim que puder retomarei os dois prédios que estão em seus locais para demarcar suas posições em relação a estação de forma a permitir que eu possa desenvolver mais o entorno da estação.

Acompanhem também minha página no Facebook.

 

Anúncios
Publicado em Modelos, Técnicas | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

A Grande Montanha

For English, click here

A grande montanha, este foi um dos meus primeiros grandes desafios não somente pelo investimento relativamente grande em material mas também pelos desafios em retratar ao máximo a estrutura geológica das montanhas da schwarzwald.  Assim começou a segunda semana de dezembro de 2017.

Com um custo estimado de R$ 800, 00 eu posterguei ao máximo a sua construção da grande montanha, neste custo estavam inclusos o material para compor a própria montanha e os trilhos para a grande curva composta de trilhos 6 x Minitrix 14918 e 6 x Minitrix 14928. Este trilhos foram cedidos pelo meu grande amigo Nacho Rebollo

Vamos lá …

Mais uma vez a questão custo influenciou bastante e decidi fazer o máximo possível com o material que estivesse disponível.

A estrutura deve ser leve mas ao mesmo tempo resistente. Em uma caminhada pelo condomínio havia casas em reforma e em delas haviam caçambas de entulho, isso mesmo, busquei material em entulho de reforma de casa e comecei a ficar espantado com a quantidade de material que pode ser utilizado ou adaptado. De início encontrei muito isopor e com ele iniciei a construção da estrutura da montanha.

A imagem abaixo mostra o traçado da curva sobre incliners da Woodland Scenics e uma tira de papelão para acomodar as duas vias de trilhos Minitrix 14918 do lado interno da curva e Minitrix 14928 do lado externo da curva:

Para estruturar a montanha comecei com a parte de trás colando placas de isopor cortadas no perfil da montanha. As duas fotos a seguir mostram este processo. As placas foram coladas com cola branca e deixando secar por 24 horas:

Para aumentar a resistência e sustentabilidade das placas traseiras adicionei placas triangulares na base para prover um travamento do movimento horizontal e placas verticais coladas em entre si e nas placas traseiras para impedir o movimento vertical:

img_3123

Os vãos livres entre as placas de isopor e os incliners Woodland Scenics foram preenchidos com folhas de jornal amassadas aleatoriamente e tudo foi coberto com um rolos de fita crepe que ganhei de pintores que estava pintando uma casa:

O próximo passo, a pintura. Para este passo eu também dediquei um bom tempo analisando como fazer, pesquisando as tonalidades de cores da região montanhosa da schwarzwald , técnicas de escultura e pintura em gesso e massa corrida. O You Tube possui vasto material sobre modelagem em gesso e depois de assistir muitos vídeos no You Tube, um vídeo me chamou a atenção: Modellbau Leicht Gemacht no qual o Mestre Bernhard Stein mostra passa a passo a construção de uma enorme maquete em escala H0, todo em alemão mas as imagens e a sequencia de trabalho eram muito intuitivas e definiram o meu processo de trabalho.

Primeiramente eu defini áreas de rochas e áreas de terra na montanha pintando a superfície de fita crepe com as cores cinza (rochas) e marrom (terra).

Em seguida criei as rochas aplicando gesso e moldando através de cortes, para tanto utilizei estiletes e espátulas de odontologista, gentilmente cedidos pela minha esposa que é odontologista. Para modelagem é preciso ter cuidado com a escala das rochas.

Na fase da pintura iniciei com um tom bege (branco + amarelo) diluído em água, 60% de bege em 40% de água e aplicado com pincel esponja: molha-se a esponja do pincel na tinta diluída e toca com média força a superfície do gesso deixando a tinta escorrer pelos cortes das rochas. Como pode-se ver na imagem abaixo, há áreas em branco no qual a tinta não penetrou e assim foi deixado:

img_3061

Após 24 horas e utilizando a mesma técnica diluí 60% de preto em 40% de água para criar o efeito de profundidade nas rochas:

img_3062

Novamente após 24 horas reforcei o preto diluído em algumas regiões para reforçar a ideia de umidade:

Após completa secagem da pintura (24 horas), para finalizar a coloração da rocha e utilizando a mesma técnica apliquei cinza (50% de preto em 50% de branco) diluído em água na proporção de 70% de cinza em 30% de água por toda a superfície mas não me preocupando em preencher toda a superfície:

Aspecto final das rochas na montanha:

Após mais um período de 24 horas para envelhecer a montanha criando o aspecto de desgaste natural utilizei a técnica do pincel seco utilizando tinta branca: coloca-se pouca tinta branca no pincel e tira-se todo o excesso de tinta em uma folha de papel, aplica-se levemente o pincel de forma rápida nas pontas das rochas:

Detalhe do envelhecimento e ensaio com alguma vegetação na encosta:

Após secar a tinta iniciei de fato a aplicação de turf na montanha para criar a vegetação grande parte escura devido às características da região:

Há vegetação no nível da via ferrea também:

Detalhe da vegetação vista do sentido oposto:

Detalhe da vegetação e das rochas com um pouco mais de iluminação mostrando as diversas camadas de pintura e vegetação.

A última imagem de post foi obtida em 18 de dezembro de 2017. Hoje é dia 07 de fevereiro de 2019, estou retomando o registro do projeto no blog e confesso que ainda estou melhorando a vegetação nesta montanha, preciso ainda fazer vários pinheiros para plantar na parte superior da montanha.

Acompanhem também minha página no Facebook.

Publicado em Técnicas | Marcado com , , , , , , , | Deixe um comentário

Que vergonha !

Quando olhei a data da última postagem fiquei impressionado ! Mais de um ano sem atualizações.

Pedir desculpas é pouco.

Hoje retomo a atualização deste blog. Que vergonha !!!

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

O caminho das montanhas

For English, click here

Continuando a construção do cenário, após atravessar um túnel, as linhas seguem um trecho reto até a grande curva.

Com uma inclinação de 2,5º este trecho foi elevado utilizando raisers e incliners da fabricante norte americana Woodland Scenics sobre os quais foram colados placas de papelão para alargar o leito da via proporcionando segurança e espaço para decoração. Sobre as placas de papelão foram coladas tiras de cortiça para os trilhos:


Ainda nesta foto laterais foram preenchidas com papel jornal amassado aleatoriamente e cobertos com recortes de gaze gessada tingida de marrom para compor as encostas. Os trilhos foram cobertos com tiras plásticas para evitar que o gesso molhado da gaze gessada caísse sobre eles danificando-os.

 


A foto acima mostra o aspecto final depois de retirada a proteção dos trilhos. Notem como a aleatoriedade do papel jornal amassado sob a gaze gessada cria o aspecto de uma parede rochosa da encosta.

 


A foto acima foi obtida ao nível do solo da encosta do caminho das montanhas. A encosta será recoberta posteriormente com uma fina camada de gesso na qual poderemos moldar melhor o aspecto rochoso. Esta camada de gesso também servirá como base para a decoração final.

 

Acompanhem também minha página no Facebook.

Publicado em Técnicas | Marcado com , , , | 3 Comentários

Hora de começar o cenário

For English, click here

Bom dia Pessoal,

Isso mesmo, é hora de começar o cenário …

No fundo, esta foi uma hora que sempre temi pois seria minha primeira vez. Mesmo já tendo assistido inúmeros vídeos no YouTube para aprender olhando, na hora de colocar as mãos em papel, gesso, tintas e colas sempre tenho um calafrio na coluna ainda mais que não posso me dar o luxo do desperdício.

No início de julho deste ano passei 4 dias observando e analisando todo o projeto buscando responder uma simples pergunta: por onde começar ? Onde começaria meu primeiro cenário ? Deveria ser um local que fosse fácil de corrigir caso algo não saísse como planejado mas também deveria ser possível eu aplicar tudo que havia aprendido nos vídeos do YouTube e nas dicas de profissionais experientes no assunto que havia conhecido recentemente. Havia vários pontos por onde eu poderia começar mas um em especifico sempre me chamou a atenção: a primeira rampa do trecho de longa distância logo à esquerda da estação principal composto de duas vias em um aclive/declive de 2,5% representadas nas fotos abaixo pelas duas vias mais a esquerda:

DSC04958

Para se ter uma idéia de como ficaria uma parede rochosa eu utilizei gaze simples colocada de forma aleatória. Abaixo esta a vista superior do local escolhido e pode-se ver também a gaze depositada bem ao lado das duas vias paralelas. Há também um esboço de estrada que ficará ao lado de um entreposto de cargas.

DSC04959

A lateral do projeto é uma placa de madeira compensada recortada para simular o corte transversal de um morro mas a parte de traz estava aberta, como não haverá acesso pela parte de trás e toda a parte de trás ficara encostada na parede, resolvi fechar com uma placa de isopor de 30 mm também recortada para simular o corte transversal de um morro:

DSC04974

A região delimitada pelas duas vias paralelas, pela placa de isopor e pela placa de madeira compensada foi preenchida com folhas de jornal amassadas e presas com fita adesiva na placa de isopor, na placa de madeira compensada e na base dos trilhos. Os trilhos foram em seguida cobertos com sacos plásticos para protegê-los de eventuais gotas de gesso:

DSC05088

Antes de aplicar a gaze gessada, eu cortei pedaços de gaze e depositei sobre a fita adesiva que cobre as folhas de jornal amassadas no tamanho mais ideal possível, assim eu poderia ter certeza de que a área seria devidamente coberta:

DSC05108

Aplicar a gaze gessada é fácil, basta mergulhar os pedaços de gaze em água e depositar os pedaços sobre a área a ser coberta, aqui eu tingi a água com corante marrom mas simular terra:

dsc05117

Depois que todos os pedaços de gaze foram depositados, eu pincelei toda a área com um pouco mais de água para homogeneizar a superfície e eliminar as junções dos pedaços de gaze:

dsc05118

Na foto abaixo temos em detalhe um pequeno morro bem ao lado das duas vias paralelas:

dsc05119

Logo em seguida executei o mesmo procedimento para a parte interna das duas vias paralelas: 1o. amassar folhas de jornal e aplicar de forma aleatória:

dsc05159

2o. Cobrir com fita adesiva:

dsc05161

3o. Recortar pedaços de gaze gessada e depositar sobre a superfície a ser coberta:

dsc05164

4o. Mergulhar a gaze gessada em água com corante e aplicar sobre a superfície a ser coberta:

dsc05176

No dia seguinte aproveitei os raios do sol das primeiras horas da manhã e registrei um momento no qual uma composição de vagões de passageiros descia a montanha:

dsc05187

A partir deste ponto o próximo passo é aplicar uma fina camada de gesso com corante para cobrir os furos da gaze gessada e esculpir um pouco a superfície. Após a aplicação do gesso com corante, a superfície estará pronta para receber os detalhes do cenário como rochas, grama, arbustos e árvores.

 

Acompanhem também minha página no Facebook.

Publicado em Técnicas | Marcado com , | Deixe um comentário

Dois anos depois

For English, click here

Bom dia Pessoal !

No último dia 14 de agosto de 2016 completou 2 anos que este sonho começou e estou muito feliz por ter chegado até aqui mesmo com todas as adversidades que ocorreram ao longo do projeto, principalmente a dispensa de meu antigo emprego que provinha os investimentos financeiros no projeto.

Ainda tenho muito por atualizar para vocês e para aumentar o gosto pelo o que ainda quero mostrar como cheguei até aqui ontem eu e minha filha fizemos dois vídeos para comemorar:

 

Primeiro vídeo com vista aérea total do circuito principal

No vídeo acima pode ser duas composições uma com frete de óleo e madeira e outra com passageiros circulando pelo circuito principal. Na parte superior do vídeo a composição de passageiros pode parar automaticamente através de um controle de parada temporária da Minitrix.

 

Detalhe com “pan camera”:

No vídeo acima vemos um pouco mais de detalhes das duas composições circulando pelo circuito principal, aos 40s aproximadamente a câmera se move para a esquerda para focalizar a composição de passageiros enquanto passa em frente à estação principal.

Acompanhem também minha página no Facebook.

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

A estação principal

For English, click here

Olá Pessoal !

Mais uma vez me deixei levar pela praticidade do facebook para atualizar o status deste projeto mas como a documentação do histórico do projeto com seus detalhamentos, procedimentos e soluções desenvolvidas durante o surgimento de obstáculos é tão importante quanto o compartilhamento de fotos, retomo as postagens.

A Estação Principal

A segunda quinzena de abril de 2016 foi reservada para a montagem da estação principal da Fase I. Para esta estação foi escolhido o modelo 37706 da fabricante alemã Kibri:

DSC04771

DSC04769

Este kit foi adquirido no eBay por 70,00 euros em 09 de abril de 2015. Como todo produto da Kibri este, mesmo em escala 1:160, não deixa a desejar em detalhes, cores e qualidade do material bem como extrema semelhança com a estação original na cidade de Osterburken:

7113250

empfangsgebaeude-osterburken-gleisseite-aus-gesehen-653183

Montagem

O modelo é de fácil montagem bastando ter à mão um bom estilete, uma tesoura (para recortar os padrões de cortinas), uma lixa, uma cola de modelismo de qualidade e uma placa de corte profissional (ou outra superfície para cortes com estiletes).

Comecei por separar as paredes, portas, janelas e decoração das portas e janelas separado e identificando cada item para facilitar e agilizar a montagem:

IMG_6480 IMG_6485 IMG_6486

A estrutura da estação é composta por dois edifícios laterais e um central interligados por duas estruturas menores onde ficam um restaurante e uma área para lojas de conveniência. Nas fotos abaixo está o edifício da ala leste da estação, primeiro a ficar pronto com todos seus detalhes:

DSC04819

DSC04823

DSC04824

DSC04827

Na semana seguinte, quando o segundo edificio ficou pronto, levei o conjunto para a posição reservada no projeto para ver como ficaria junto aos trilhos e ao espaço reservado para as ruas e edificações adjacentes à estação:

IMG_6594

IMG_6593

Abaixo estão os detalhes das cortinas das portas e janelas:

IMG_6602

Abaixo está a fachada (lado da plataforma) do edifício central:

IMG_6603

Abaixo está a fachada (entrada principal) do edifício central:

IMG_6604

Nas próximas duas fotos quero mostrar os detalhes das laterais internas do edifício central cuja disposição permite explorar a criatividade para a futura iluminação interna:

IMG_6605

IMG_6606

Abaixo está a vista do átrio da estação e da área de espera para dias mais frios, notem que é possível colocar iluminação individual para cada área:

IMG_6607

Na última semana de abril a estação (ainda sem a cobertura externa pois pretendo instalar iluminação) foi posicionada em sua posição definitiva:

IMG_6621A

Para ter uma ideia melhor da escala e do aspecto final, na foto abaixo podemos ver a estação com uma composição na plataforma. Pode-se ver também que a plataforma ilha ainda não foi implantada.

IMG_6615

No último dia de abril acordei cedo e obtive três fotos com iluminação natural, indispensável comentar sobre a beleza do modelo com esta iluminação:

IMG_6625

IMG_6626

IMG_6628

Acompanhem também minha página no Facebook.

Publicado em Sem categoria | 2 Comentários